Um dia na vida de um Hostel Worker

O turno da manhã começa normalmente às oito horas, com uma tranquilidade que nos surpreende sempre. A música suave que se faz ouvir adapta-se bem ao ambiente. A maior parte dos hóspedes está quase a terminar o seu sono de beleza (alguns a recuperar da noite anterior) e uns poucos estão já a tomar o pequeno almoço e a preparar-se para partir para uma nova aventura, seja ela dentro ou fora da cidade de Lisboa!


À medida que as horas vão passando as áreas comuns começam a ganhar vida e o Hostel Worker começa a ser solicitado e literalmente bombardeado com perguntas e solicitações: é necessários fazer os check-outs e dar indicações, ideias e sugestões sobre o que fazer na cidade.


É nesta altura que o Hostel Worker tem a oportunidade de conhecer melhor os interesses de cada hóspede de modo a conseguir aconselhar o “dia perfeito” para cada um deles, o que significa um vasto conhecimento sobre a cidade de Lisboa e uma ainda maior sensibilidade para lidar com pessoas, culturas, humores, aspirações, etc.!


Em caso de dúvida... o Google não nos tem deixado ficar mal! O deserto instala-se no momento em que terminam os check-outs. O momento ideal para avaliar, analisar e verificar todos os espaços e áreas comuns, limpeza e organização dos espaços de forma a garantir que o Hostel está “impecável” para receber os hóspedes que irão regressar cansados e cheios de novidades para partilhar, depois de um dia a passear pela cidade ou a chegar da sua viagem.


O turno da tarde começa, muitas vezes, da mesma forma que começou o turno da manhã, só que desta vez os hóspedes estão “espalhados” pela cidade! Regressarão aos poucos com o pôr do sol, prontos para repor as energias gastas ao longo do dia, e é nesta altura que o incrível Hostel Worker os irá receber com o melhor dos seus sorrisos, aquele com que se recebe um amigo que nos vem visitar, ansioso por saber como foi o seu dia.

A campainha da “socialização” toca. Este é o momento ideal para o Hostel criar uma atividade e promover o encontro de pessoas.


O Lost Inn tem promovido de forma extraordinária a “Sangria Night”, uma prova gratuita de sangria! O evento foi criado para aproximar e reunir os nossos hóspedes, promovendo a partilha de experiências e de histórias e para que, assim que terminem os jarros de sangria, esteja formado um grande grupo de amigos que poderão jantar, sair, passear e conhecer a noite de Lisboa.

O turno da noite pode ser calmo mas isso dependerá, não só da altura do ano como da versão “party animals” dos nossos hóspedes. É durante este turno que o Hostel Worker se depara com as situações mais surpreendentes, absurdas, cómicas ou problemáticas num Hostel. Há situações em que é necessário ter uma voz mais firme e um caminhar autoritário, mas isso são histórias para outra altura!


Há para cada uma destas realidades características que têm de ser mais trabalhadas ou evidenciadas, sem nunca esquecer as importantes características referidas no artigo anterior.


Para o turno da manhã a característica mais importante é a organização uma vez que há muitas tarefas diferentes que precisam de ser realizadas.


Para o turno da tarde deve ser a extroversão visto que é quando o Hostel Worker tem a oportunidade de comunicar mais com os hóspedes.


E, finalmente, para o turno da noite deve ser a tolerância porque é quando o Hostel Worker se depara com situações que exigem maior diplomacia.


Por Beatriz Abreu Peixoto e Manuela Ferrer para Hostel Marketing

Um dia na vida de um Hostel Worker





1 visualização

SOCIAL MEDIA MARKETING LISBOA

UMA PÁGINA DE MANUELA FERRER 

NEWSLETTER 

© 2015 BY MANUELA FERRER